segunda-feira, 18 de junho de 2012

Vampire Diaries



Eu assistia jogos na mídia, pura maldição do entreternimento alienado.
Mas nada disso me distraia...
Enquanto a cabeça trabalhava fortemente na arte do pudor e maliciosidade,
a mão calejava toques íntimos e atrevidos sem esconder sua intenção.

O próprio Sol nascia dentro do peito, banhando as calças e a camisa molhada...
Correndo pra porta eu lançava meu resultado.
Ofegante novamente deitava no chão frio, olhando para o teto...
Lembrando de seus olhos, brilhantes e engolfantes.


São das memórias onde eu mergulho e vivo, como todos sonhadores.
Realizando os mais profundos desejos, todos os pecadores e cheios de vulgaridade.
Lutando contra teu corpo, teu peito, tua resistência, cada vez mais louco com olhos revirados...
Hematomas, sangue e pele rasgada, sorriso e mordida, excitação e orgasmo.

Prefiro manter a pálpebra cerrada e conviver os melhores momentos em lembrança,
que acordar para a realidade cinza e estática
Momentos esses onde eu sinto-me realmente respirando e interagindo
Onde minha mão alcança lugares quentes e molhados, cheia de vontade...

E por fim sou eu andando coberto pela noite
Cicatrizes e dor marcam meus passos, meu tendão pulsa em liberdade para parar
Mas eu retorno novamente, outro dia...
Pra me torturar...

Como a noite é bela...

Um comentário:

  1. Se eu tivesse lido antes não estaria chorando de tristeza e decepção.

    ResponderExcluir